Dark Light

Sensor de Rotação e PMS tem por finalidade gerar o sinal de rotação do motor e a posição da árvore de manivelas, informando-o à Unidade de Comando Eletrônico (UCE).

Quer ler esse conteúdo quando quiser? Baixe o conteúdo clicando aqui ⇩

Essas informações são responsáveis para indicar a UCE do motor momento correto de injeção, tempo da injeção, no motor Otto e Diesel. Nos motoros ciclo Otto, a central de comando também calcula o momento e o tempo da ignição.

Essas informações em conjunto com outros sinais de entrada como pressão do coletor, temperatura do ar, temperatura da água são determinantes para que a UCE do motor calcule o momento correto da injeção, tempo da injeção, etc.

Resumindo: O mau funcionamento do Sensor de Rotação pode afetar informação importante para o funcionamento correto do motor.

O fenômeno da indução eletromagnética está presente em praticamente todos os atuadores eletromecânicos hoje inseridos nos automóveis: bomba de combustível, motor de partida, eletro-injetores, eletroválvulas, em geral, motores de passo e também sensores de rotação, velocidade e fase.

Não é por acaso que você encontrará a simbologia do indutor em boa parte dos componentes dos sistemas elétricos automotivos.

Bobina
Bobina

Se fazemos passar corrente elétrica por uma bobina, produzimos campo magnético. Esse campo será capaz de atrair um metal com propriedades magnéticas. 

A utilização de uma ou mais bobinas, imãs e molas nos permite realizar movimentos de translação e de rotação. O que nos permitirá abrir ou fechar válvulas, ou contatos, ou girar eixo, ou realizar algum movimento qualquer. 

Se variarmos o fluxo magnético que atravessa uma espira condutora, seja por movimento da espira ou por variação da intensidade do campo, induz-se uma tensão na espira condutora. 

Em outras circunstâncias utilizamos este fenômeno para transformar uma baixa tensão numa alta tensão como é o que ocorre na bobina de ignição. E finalmente podemos utilizar a indução eletromagnética para obter sinal de rotação, fase ou velocidade.

O exemplo mais simples que podemos tomar é o de uma eletroválvula. Esta é equipada com apenas uma bobina (indutor), um núcleo de material ferromagnético e uma mola mecânica.

A corrente elétrica circula pelo enrolamento do indutor, gerando um campo magnético capaz de vencer a carga da mola e atrair o núcleo.

O movimento do núcleo por sua vez possibilita a abertura ou fechamento de uma válvula. Desfazendo-se da corrente elétrica, a força da mola retorna o núcleo para sua posição original.

Eletroválvula

No esquema elétrico, desenhamos apenas a simbologia do indutor e nomeamos a eletroválvula de acordo com a sua função mecânica, tais como: eletro-injetor, eletroválvula de purga do canister, eletroválvula de gerenciamento da válvula EGR e por aí vai.

Afinal, no esquema elétrico, você prefere saber que o sensor é do tipo indutivo com a ilustração da bobina ou um desenho de uma roda dentada?

Você já deve ter percebido que praticamente todos os atuadores electromagnéticos automotivos trabalham com a conversão de energia elétrica em energia magnética.

Vamos utilizar o exemplo do veículo 1.0 8V L4 Fire Flex, com sistema de injeção Bosch 17.3.0, para fazer alguns testes no sensor:

Sensor de Rotação no Diagrama Elétrico do Diagweb

Exemplo no diagrama elétrico do Diagweb:

Teste de resistência:

  1. Chave de ignição desligada e multímetro na escala de resistência.
  2. Medição nos pinos: 1 e 2 diretamente no conector do sensor.
  3. Valor: 1 k ohm.

Teste da escala de Hz:

  1. Chave de ignição desligada e multímetro na escala de Hz.
  2. Medição nos pinos: 1 e 2 diretamente no conector do sensor.
  3. Valor de frequência: 800 Hz.

Tensão alternada:

  1. Multímetro na escala de tensão AC e veículo ligado.
  2. Medição nos pinos: 1 e 2 (Sensor conectado).
  3. Valor: Médio 7,5 volts em marcha lenta.

Teste de sinal utilizando um osciloscópio

  1. Osciloscópio e veículo ligado.
  2. Medição no pino: 1 e 2.
  3. Valor: Oscilograma conforme a imagem.

Quer ter acesso a mais conteúdos como esse na sua oficina? Conheça a Plataforma da Oficina Conectada.

Confira uma dica técnica relacionada:

Créditos: Sete Produções, Fábio von Glehn e Pablo Eduardo
Edição e Adaptação: Pablo Eduardo;
Revisão: Witer Marcos;




Ganha mais qualidade, tempo e dinheiro com a Oficina Conectada. 
Encontre diagramas elétricos, sincronismo, torques de aperto e oscilogramas do motor, caixas de fusíveis e muito mais. Mais de 3.000 oficinas já são parceiras e ganham destaque no mercado. Seja o próximo!

Total
0
Share